cadastre-se entrar

Connect with Facebook

Uma confirmação de registro será enviada para você por email.


Connect with Facebook

Perdeu a senha?

Combinando vinhos e comidas pela cor.


Eat30 Especial ABS

A harmonia de cores. Foto: divulgação

Curiosamente, os princípios da harmonização levam a coincidências que simplificam, em certos casos, a escolha de um vinho para certo prato. Trata-se do ajuste, válido para muitos casos, de brancos, tintos ou rosados com a cor da comida. Veja o caso de pratos “verdes” como saladas e vegetais acompanhados de azeite de oliva extra-virgem. Os brancos claros com nuances esverdeadas – Sauvignon Blanc, Chenin ou Riesling jovens, por exemplo, ou um Frascati – são companhia de primeira para eles principalmente quando temperados com ervas verdes frescas como salsa, manjericão ou coentro.
Se passamos para comidas douradas, à base de milho ou temperadas com molhos amarelos, de manteiga ou ovos, a escolha passa para um vinho de roupa dourada como um Chardonnay de bom corpo com passagem por madeira. Um caso clássico é o ajuste do salmão com vinho rosé, em geral uma combinação imbatível em que sabores e cores se ajustam ás maravilhas. Da mesma forma os vinhos rosés claros adéquam-se ao siri desfiado, aos camarões e ao atum quando o molho é discretamente rosado. A cor vermelha dos embutidos pode nos inclinar para um Pinot Noir, com sua tonalidade rubi clara.
Finalmente, para comidas mais escuras, podemos pensar em tintos concentrados como Cabernet Sauvignon, Malbec ou Syrah, especialmente indicados para carnes vermelhas, cordeiro e caças com molho ferrugem, a cor do molho lembrando a cor do vinho. Podemos até concluir que comidas verdes e amarelas pedem vinhos de climas frios, comidas rosadas e vermelhas claras, de climas
temperados, e comidas escuras, vinhos de climas quentes… Mas essa é uma outra história…

 

Dias de vinho e rosas

Eat30 Especial ABS 2

Vinho da Gewürztraminer. Foto: divulgação

Quem degusta com certa frequência os vinhos da Gewürztraminer, principalmente os da Alsácia, já tem certa familiaridade com o aroma de rosas no vinho. Uva particularmente aromática, a Gewürztraminer é também atrativa para iniciantes por seus aromas florais e frutados, fáceis de reconhecer, predominando os de rosa e lichia. A rosa, entretanto, não é exclusiva da Gewürztraminer. Rainha das flores em muitas civilizações, diz a Mitologia que a rosa era a flor preferida de Afrodite, a deusa grega do amor e da beleza. No vinho, esse perfume delicioso, tem como princípio químico o Geraniol, um composto de odor floral que se forma durante a fermentação da uva e que pode aparecer tanto em vinhos tintos quanto em brancos e rosados. Não espere por ele, porém, em exemplares  amadeirados nem em tintos robustos na medida em que se trata de aroma delicado. Desempenhando importante papel na perfumaria, nenhuma outra flor é tão amada por poetas e músicos… rosas, rosas, rosas…exalam seu perfume em tintos e rosados de castas não muito estruturadas como a Gamay (estilo Beaujolais) e a Pinot Noir (estilo Borgonha) ou em brancos de castas aromáticas como Gewüztraminer, onde em geral é evidente, Torrontés, Viognier e Moscatel.
P.S.: O título deste artigo é inspirado, como já devem ter percebido, no filme “Days of Wine and Roses”

(EUA, 1962), de Blake Edwards com Jack Lemmon, Globo de Ouro e Oscar de melhor canção em 1963.

 

Euclides Penedo Borges é professor e diretor da ABS Rio – Associação Brasileira de Sommeliers

Euclides Penedo Borges é professor e diretor da ABS Rio – Associação Brasileira de Sommeliers

Tags: , ,

Deixe seu comentário

publicidade